Rodrigo Garcia encaminha acordo para ter vice do União Brasil

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB) deve oficializar nas próximas horas o nome do deputado federal Geninho Zuliani (União Brasil), como candidato a vice em sua chapa �?? o prazo final é a sexta-feira, 5, data-limite previsto em lei para a oficialização das candidaturas. O tucano vai se reunir com aliados do União Brasil nesta quarta-feira, 3, para acertar os últimos detalhes. Segundo um membro da cúpula da sigla ouvido pela Jovem Pan, o acordo está encaminhado. Pelo desenho, o MDB ficará com a vaga ao Senado �?? os emedebistas reivindicam o posto de vice-governador e pretendiam indicar o ex-secretário de Saúde da capital paulista Edson Aparecido (MDB). O União Brasil é cobiçado porque trará ao candidato escolhido um importante ativo: o tempo de televisão. Aliado de Garcia e coordenador de campanhas do agora governador de São Paulo desde a década de 1990, Zuliani foi prefeito de Olímpia, município do interior do Estado, entre 2009 e 2016. Secretário-geral do União Brasil em São Paulo, o deputado federal fez sua carreira política no Democratas (DEM), partido que se uniu ao PSL para dar origem à nova sigla. O nome de Zuliani foi formalmente indicado para o cargo nesta terça-feira, 2. Ele venceu a disputa interna contra nomes como Henrique Meirelles e Alexandre Leite.

No sábado, 24, Garcia foi oficializado como candidato ao Palácio dos Bandeirantes sem anunciar o vice. O motivo era o imbróglio envolvendo os dois partidos, que apoiam a postulação do tucano. A escolha do vice encerra, em tese, um impasse que envolvia o União Brasil e o MDB. O acordo inicial previa que o União Brasil ficaria com a vaga ao senado, que seria ocupada pelo jornalista José Luiz Datena. Nesta configuração, o MDB ficaria com a vice. O nome seria escolhido pelo prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB). Com o aval de Garcia, Nunes filiou Edson Aparecido, um dos fundadores do PSDB, ao MDB em abril �?? é por essa razão que a cúpula emedebista está contrariada com a escolha de Zuliani. De última hora, porém, Datena trocou o União pelo PSC para apoiar o ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos), candidato ao Palácio dos Bandeirantes apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). Em razão do imbróglio, o União Brasil passou a flertar com a campanha do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), como a Jovem Pan mostrou. O movimento foi visto por aliados de Garcia como uma forma da sigla comandada por Luciano Bivar pressionar os tucanos. O acerto com o governador paulista, no entanto, sempre foi tratado como prioridade. A prova disso é que o vice-presidente nacional da legenda, Antônio Rueda, esteve presente na convenção do PSDB.

Aliados de Garcia apostam no início da propaganda eleitoral em rádio e TV, na segunda quinzena de agosto, e no apoio de mais de 500 prefeitos para crescer nas pesquisas e garantir sua presença no segundo turno. Segundo o último Datafolha, do fim de junho, Fernando Haddad lidera a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes com 34%, seguido de Rodrigo e Tarcísio, empatados com 13%. Pesquisa Real Time, contratada pela TV Record e divulgada nesta quarta-feira, 3, mostra o petista na liderança com 33% das intenções de voto, ante 20% de Tarcísio e 19% do tucano.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Boulos tem 35,6%; Nunes, 33,7%; Tabata, 14,7%; e Kim, 9,4% em São Paulo, diz pesquisa Atlas

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) tem 35,6% das intenções de voto para a Prefeitura de São Paulo, contra 33,7% do atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB), aponta a pesquisa Atlas/CNN Brasil divulgada nesta quarta-feira, 24. Ambos estão tecnicamente empatados dentro da margem de erro de 2,5 pontos porcentuais (p.p.). A terceira colocada é a deputada

Moraes arquiva ação de suposto asilo de Bolsonaro na Embaixada da Hungria

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes concluiu que não há evidências que comprovem que Jair Bolsonaro (PL) buscou asilo na Embaixada da Hungria, em Brasília, em fevereiro deste ano. Como revelou o The New York Times, o ex-presidente passou dois dias na missão diplomática em Brasília

Projeto que libera estados legislarem sobre armas avança na Câmara

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (24) um projeto de lei complementar que concede poderes aos estados para formular leis e flexibilizar as atuais regras de porte de armas, num revés para o governo Lula (PT). De autoria da presidente da