Os números alarmantes da violência, a pressão sobre Rui e a aproximação do PL com o PT

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Passivo vermelho I
Para além dos números de guerra mostrados no levantamento do Monitor da Violência sobre a liderança da Bahia no ranking de mortes violentas nos últimos quatro anos, o Estado carrega um passivo assustador que foi criando corpo desde a gestão do ex-governador Jaques Wagner. De 2007 a 2014 a Bahia registrou cerca de 43 mil mortes violentas – número perto da realidade de Rio de Janeiro e São Paulo, que estavam na casa de 47 mil ocorrências – ambos são mais populosos. Na era Rui Costa, a violência disparou e os casos computados entre 2015 e 2022 chegaram a 47 mil, enquanto Rio e São Paulo baixaram seus índices para 32 mil e 38 mil, respectivamente, no mesmo período. No geral da série histórica (2007-2022) 90 mil baianos entraram para as estatísticas como vítimas de mortes violentas. São Paulo ficou com 79 mil e o Rio com 86 mil.

Passivo vermelho II
Os números da  violência na Bahia chegam a superar os registros de países com maiores índices de homicídios do mundo. A Jamaica, por exemplo, foi considerada pelo portal Insight Crime o país mais violento do mundo, chegando a registrar quatro homicídios diários. Na Bahia, conforme dados do Monitor da Violência, esse número de assassinatos diários chega a 14. No total, em 2022, foram 5.124 mortes violentas, o que coloca o estado como o mais violento do país, com quase 50% mais homicídios do que o segundo colocado, Pernambuco. Os dados do estado superam ainda os índices de Honduras, Guatemala e El Salvador, que estão entre os países mais violentos das Américas, conforme dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). 

Empurroterapia
Enquanto isso, o governador Jerônimo Rodrigues (PT) adota a mesma estratégia de transferir responsabilidade utilizada por seus antecessores, que culpavam questões nacionais e medidas do governo federal passado para justificar os elevados índices de violência da Bahia. Jerônimo, por sua vez, passou a culpar a cobertura da mídia sobre a insegurança no estado. E nesse jogo de “empurra empurra” quem paga o pato são os baianos, seja nas grandes médias ou pequenas cidades, que seguem vivendo em meio à escala da violência. 

Acusou o golpe
Líder do governo na Assembleia, o deputado Rosemberg Pinto (PT) admitiu que o governador Jerônimo Rodrigues dormiu no ponto ao extinguir a Bahiatursa na reforma administrativa e ter deixado um vácuo na estrutura da Secretaria de Turismo, o que impossibilitou a celebração de contratos para festas e eventos. O ajuste só foi feito na última terça (28 de fevereiro) quando a Assembleia Legislativa aprovou a criação da Superintendência de Fomento ao Turismo (Sufotur), nova unidade gestora que abrigará atribuições da extinta Bahiatursa. Mas só para não perder o costume da ilegalidade, Jerônimo estampou a Sufotur na publicidade do Carnaval, antes mesmo dela ser oficialmente criada.

Fascista do bem
Por falar em Rosemberg Pinto, ele ganhou o noticiário nacional por atacar o jornalista da Folha de São Paulo, João Pedro Pitombo. Até pouco tempo quem praticava episódios dessa natureza era chamado sonoramente pela esquerda de “fascista”. Ao que parece, o critério foi revisto, sobretudo na Bahia, onde petistas e demais canhotos assentiram silenciosamente para as agressões do líder de governo de Jerônimo Rodrigues. Seria uma versão de “fascista do bem”? 

Estopim
Fato é que a agressão de Rosemberg expôs o clima de instabilidade na base governista com relação à indicação da esposa do ex-governador Rui Costa, Aline Peixoto, para o posto de conselheira do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Na última semana, uma apuração feita por João Pedro Pitombo mostrou que Aline Peixoto omitiu do currículo enviado à Assembleia Legislativa da Bahia seu vínculo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) desde 2008. Sem contar que a liderança de Rosemberg ficou ainda mais questionada e, segundo integrantes do grupo, já há na base uma discussão para tirar o deputado do posto. 

Pressão
Embora haja pressão sobre Rui para desistir da empreitada de indicar a esposa ao TCM, aliados do ministro da Casa Civil dizem que o cacique petista segue irredutível. Eles argumentam que uma eventual desistência, nesta altura do campeonato, seria encarada como uma derrota pessoal de Rui, fracasso que o ex-governador não pretende carregar. Dizem, ainda, que seria também uma vitória para o senador Jaques Wagner (PT), que expôs publicamente sua posição contrária à indicação de Aline Peixoto. Como pano de fundo do imbróglio, continuam os governistas, há uma queda de braço entre Rui e Wagner pelo comando do PT no estado. 

Sem surpresa
Surpreendeu um total de zero pessoas a informação divulgada nesta semana de que o PL na Bahia iria liberar seus deputados para, caso queiram, votar com o governo de Jerônimo na Assembleia Legislativa (ALBA). Nos bastidores da política baiana, já são claros os indícios de aproximação do ex-ministro João Roma, presidente do partido no estado, com o grupo petista. Até mesmo o deputado Vitor Azevedo, ex-chefe de gabinete de Roma, é considerado “independente” no Legislativo, mas mantém diálogo com o governo. E o parlamentar Raimundinho da JR é vice-líder de Jerônimo na Casa. Ambos, pasmem, integrantes do partido de Jair Bolsonaro. 

Clube dos insatisfeitos
Quem não esconde a indignação com a situação é a médica Raissa Soares, que disputou o Senado em 2022 quase sem apoio do partido na Bahia e, ainda assim, obteve mais votos do que João Roma para o governo – ela superou a casa dos 1 milhão de votos, enquanto o ex-ministro chegou a 738 mil. Vice-presidente do partido no estado, Raissa condenou a aproximação do PL com o PT e, pelo que se comenta, vai pedir providências nacionais. O vereador de Salvador Alexandre Aleluia também criticou duramente os rumos do partido. Assim como eles, o restante da ala bolsonarista não anda nada satisfeita com a condução do partido. 

Lá e Lô
Além dos deputados, quem também anda conversando com o governo é o prefeito de Porto Seguro, Jânio Natal (PL), um dos principais apoiadores de Jair Bolsonaro na Bahia. Nesta semana, Jânio se reuniu com o líder do governo, deputado Rosemberg Pinto (PT), em encontro articulado pelo parlamentar Raimundinho da JR, que contou com o apoio do prefeito de Porto Seguro em 2022. 

2024 é logo ali
A questão agora é saber como ficará o cenário em Porto Seguro em caso de acordo de Jânio com o PT, já que o prefeito é rival mortal do grupo da ex-prefeita Claudia Oliveira (PSD), apoiadora de Jerônimo e eleita deputada estadual. Claudia já vem avisando a seus correligionários na cidade que não vai abrir mão de uma candidatura na cidade em 2024 – dela ou de algum aliado. 

Braços cruzados
Na Assembleia Legislativa (ALBA), integrantes da base governista não andam muito satisfeitos com a articulação política de Jerônimo, embora muitos deles digam que o novo governador é muito mais afável com os parlamentares do que Rui Costa. Em conversas reservadas, dois deles andam se queixando que ainda não foram procurados para discutir espaços no governo e reclamam que até mesmo deputados do PP, que nas eleições não apoiaram Jerônimo, já ganharam cargos na gestão estadual. Já avisaram a quem é de direito que vão cruzar os braços.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado