Michel Temer afirma: prisão de Bolsonaro não seria ‘útil para o país’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O ex-presidente Michel Temer (MDB) declarou, em entrevista publicada nesta sexta-feira (1º/9), que não acha “útil” para o país uma possível prisão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O argumento é que a prisão vitimizaria Bolsonaro e acirraria a radicalização “de ambos os lados”.

 

Temer, que também foi preso após deixar o cargo, defendeu que é preciso uma legislação específica para ex-presidentes, mas que isso não significa que quem cometeu “maiores excessos de corrupção” não possa ser detido. Sobre sua prisão, o ex-presidente a classificou como um “sequestro”.

 

Leia: Bolsonaro e Michelle ficam em silêncio em depoimento sobre joias 

 

“Não digo se (a prisão de Bolsonaro) convém ou não. Eu não acho útil. Ao prender um ex-presidente, em vez de produzir efeitos negativos, você o vitimiza. Não é útil para o país. Temos no Brasil uma radicalização de ambos os lados. São palavras, gestos, momentos que levam a nação a uma intranquilidade”, respondeu Temer em entrevista à revista Veja , após ser questionado se acredita em uma eventual prisão de Jair Bolsonaro.

 

Leia: Danilo Gentili sobre Bolsonaro em Barretos: ‘Jumento num cavalo’

Prisão foi ‘sequestro’

Temer foi preso em março de 2019 após determinação do juiz Marcelo Bretas, sob suspeita de ter cometido delitos de corrupção ativa e lavagem de dinheiro em negociações de contratos da estatal Eletrobras. No mês seguinte, ele foi libertado e teve a prisão substituída por medidas cautelares.

 

“Eu não fui preso, fui sequestrado. Não havia indiciamento, denúncia, nem uma representação. E o juiz [Bretas] fez o que fez. Se viesse a mim para que eu comparecesse, é claro que iria. Eles me esperaram sair de casa, me pegaram na rua, com fuzil, para sequestrar”, comentou Temer sobre o episódio.

 

Segundo ele, é preciso pensar em uma legislação específica para ex-presidentes da República, que preveja “tratamento adequado”. Temer defendeu que, enquanto não há condenação, as prisões preventivas são muito questionadas. “É preciso tomar certo cuidado com isso”, pontuou.

 

 

image

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PT e Centrão se unem para quebrar acordo e retirar PL da presidência da CCJ

O PT e o Centrão articulam para quebrar um acordo firmado no começo do ano passado e tirar o PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, da presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara neste ano. Se o plano se consolidar, a CCJ, o colegiado mais importante de todos da Casa, ficará com

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados