Secretária geral do CNJ pretende aumentar celeridade de processos e uso de linguagem de fácil entendimento

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A secretária-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Adriana Cruz, que é a primeira mulher negra a assumir o cargo, pontuou a necessidade de o judiciário seguir em diálogo para renovações. Durante o 17º Encontro Nacional do Poder Judiciário, promovido pelo CNJ no Centro de Convenções de Salvador nesta segunda-feira (4), ela citou um fortalecimento na política de afirmação de diversidade, raça e gênero como uma das pautas do colegiado. 

 

Cruz argumenta que o CNJ vem desenvolvendo “uma série de ações e iniciativas nesse sentido”, incluindo a política de cotas em concursos de magistrados e a recomendação do presidente do Supremo tribunal Federal (STF), ministro Luis Roberto Barroso, de fortalecer políticas de ações afirmativas. Também estão sendo incorporadas questões específicas para gênero, conforme a perspectiva da Corte Interamericana e protocolos de julgamento pela perspectiva racial.  “Estamos fazendo uma série de frentes, pois são problemas complexos que não são resolvidos só com uma canetada”, argumentou.

 

Uma das formas de trazer a justiça para mais perto do povo é “estimular o sentido de pertencimento”, como avalia a secretária geral. “Enquanto você prega uma linguagem que afasta, que dificulta a compreensão, você veda o acesso à  justiça. A ideia é a adoção uma série de ações com vistas a simplificar a linguagem técnica, que muitas vezes é indispensável. A ideia da gente é construir um material com uma tradução daquela linguagem mais técnica que é indispensável e estimular a desutilização daquelas expressões desnecessariamente rebuscadas e que podem dificultar a compreensão”, avalia.

 

Outro ponto sinalizado por ela foi a “demanda da celeridade”, ou seja, a necessidade de fazer com que os processos consigam correr com maior velocidade. Ela garantiu que o CNJ já está ciente do problema e tem proposto iniciativas na intenção de diminuir a demora nos trâmites. 

 

Nesse sentido, ela citou ações protocolares de eventos mais breves, julgamentos com votos mais resumidos, e, principalmente, o que chamou de “boas práticas”. “Vários tribunais já têm iniciativas nesse sentido e o Conselho, como um catalisador de práticas, vai fomentar o banco de boas práticas também com essa temática, como forma de difundir essa prática. Eu acho que vai ser extremamente importante e de aprofundamento da garantia de uma justiça eficiente, um processo com duração razoável, tudo como determina a constituição”, disse.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Acusado de estuprar turista no Carnaval passará por audiência de custódia, detalha delegada

Em entrevista à imprensa na noite desta quarta-feira (28), a delegada Bianca Andrade, titular da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), situada na Casa da Mulher Brasileira, na Avenida Tancredo Neves, falou sobre a prisão do suspeito de estuprar uma mulher na terça-feira de Carnaval nas proximidades do circuito Osmar (Campo Grande). A vítima

DF registrou mais de 3 mil internações de pacientes com dengue em 2024

Este ano, mais de 3 mil pessoas já foram internadas na rede pública de saúde do Distrito Federal por causa da dengue. Desse total, 226 pacientes precisaram ser admitidos em unidades de terapia intensiva (UTI). Os dados são da Secretaria de Saúde do DF (SES-DF). No total, a rede pública de saúde já recebeu 3.043

MP-BA, TCE e TCM anunciam novidades para painel dos festejos juninos em 2024; coleta de dados começará no dia 18

Em 2024, o painel da transparência dos festejos juninos na Bahia terá nova edição. A meta é coletar e disponibilizar informações dos investimentos de todos os 417 municípios com atrações artísticas. A ferramenta foi lançada oficialmente nesta terça-feira (27), em reunião na sede do Tribunal de Contas do Estado (TCE). O painel é uma parceria