Presidente do Senado diz que irá recorrer da suspensão da desoneração da folha

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos


fta20240319203

O presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou, nesta sexta-feira (26), que irá recorrer da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, que suspendeu a desoneração da folha de pagamento de setores intensivos em mão de obra. Zanin suspendeu nesta quinta (25) a desoneração alegando que o Congresso não avaliou o impacto financeiro da medida para as contas públicas.

Pacheco disse que a prorrogação da desoneração é constitucional e citou precedentes favoráveis do próprio STF. “Sobre qualquer ótica, há constitucionalidade do projeto. Há estimativa do impacto financeiro. São situações muito claras. É necessário analisar a ADI (ação direta de inconstitucionalidade) da AGU (Advocacia-Geral da União), que se assenta sobre um pressuposto de que proposições legislativas que criem despesas precisam de estimativa dos impactos”, disse.

“Isto não é verdadeiro, há, sim, a previsão e estimativa financeira e orçamentária. Este requisito evocado para acolher uma ADI não procede. Tomaremos hoje um recurso de agravo para demonstrar a realidade do que se apresenta”, argumentou. O presidente do Senado disse, ainda, que foi uma ação precipitada, descontextualizada e fora do momento. Segundo ele, as premissas do Advocacia da União para recorrer ao STF não são verdadeiras.

As discussões anteriores no STF já haviam reconhecido a constitucionalidade da desoneração, considerando-a uma prorrogação e não uma nova política. Em 2021, o ministro Ricardo Lewandowski votou contra um pedido da AGU para suspender outra prorrogação da desoneração. O julgamento não foi concluído na época.

Durante as discussões no Congresso, especialistas, sindicatos e entidades empresariais defenderam a prorrogação da desoneração até 2027 como constitucional. O projeto de lei foi aprovado com ampla maioria e posteriormente teve o veto presidencial derrubado. A desoneração da folha substitui a contribuição previdenciária patronal por alíquotas menores sobre a receita bruta em 17 setores da economia. A medida visa reduzir os custos de contratação e beneficiar setores como têxtil, calçados, construção civil, call center, comunicação, fabricação de veículos, tecnologia e transportes.

*Reportagem produzida com auxílio de IA

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Cade analisa se acordo comercial entre Gol e Azul deve passar pelo órgão

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) está analisando os contratos entre as companhias aéreas Gol e Azul para determinar se a operação precisa ser notificada ao órgão. A Superintendência-Geral do órgão solicitou esclarecimentos sobre a parceria, enviada para análise na sexta-feira (24). O acordo de cooperação comercial entre Gol e Azul tem como objetivo

Governo planeja nova linha de crédito para empresas afetadas pelas chuvas no RS

O Governo Federal está planejando anunciar uma nova linha de crédito destinada às grandes empresas afetadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul. A expectativa é que o valor supere os R$ 10 bilhões, de acordo com fontes do Ministério da Fazenda. Esta iniciativa visa auxiliar as empresas do setor industrial e do agronegócio que

Imposto de Renda 2024: saiba como facilitar a declaração de imóveis próprios e alugados

Declarar imóveis no Imposto de Renda pode ser um desafio burocrático para muitos brasileiros. Para simplificar esse processo, o site da Jovem Pan traz respostas diretas para as dificuldades mais comuns enfrentadas por proprietários e inquilinos ao preencher a declaração. Vale destacar que as regras do IR mudam anualmente, especialmente no que diz respeito à