PF descarta interferência de Bolsonaro e encerra inquérito motivado por Moro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Polícia Federal concluiu que não há elementos mínimos que comprovem a interferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) na instituição. Em dois anos foram ouvidas 18 pessoas, analisados dados e feitas perícias. O inquérito apurou acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça, Sergio Moro (Podemos), que que acusou Bolsonaro de interferir em investigações. Foi no mesmo período em que o presidente demitiu o então diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo, escolhido por Moro, e tentou nomear Alexandre Ramagem, cuja indicação foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o relatório, todas as testemunhas ouvidas afirmaram não receber orientação ou pedidos de Bolsonaro para interferir ou influenciar em investigações conduzidas na Polícia Federal. O presidente foi investigado por crimes como falsidade ideológica, obstrução de justiça, corrupção passiva e prevaricação, que é quando o agente público atrasa ou deixa de cumprir uma obrigação oficial para atender a interesses próprios. Moro foi investigado por calúnia e difamação, além de denunciação caluniosa, mas esses crimes também foram descartados pela polícia.

Nas redes sociais, Moro, que é pré-candidato à presidência, questionou o documento produzido pela PF, que teria usado 150 páginas para dizer que não houve interferência do presidente na instituição. Segundo o ex-juiz, as quatro trocas de diretores da PF falariam mais alto que o documento. Já no inquérito sobre a prevaricação nas negociações da compra da vacina Covaxim, que também envolvem o presidente Jair Bolsonaro, a Procuradoria-geral da República (PGR) vai recorrer da decisão da ministra Rosa Weber, do STF, que rejeitou o pedido de arquivamento do caso. �? a primeira vez que um ministro do supremo reverte solicitação desse tipo feita pela PGR em relação a Bolsonaro. Nesse caso, a PF também já havia descartado a prática de crimes do presidente.

*Com informações da repórter Katiuscia Sotomayor

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Senadora diz que Ciro Gomes ‘vai responder na Justiça’ por ofensas: ‘Misoginia e machismo’

A senadora Janaína Farias (PT-CE), suplente do ministro da Educação, Camilo Santana, disse que vai processar o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT). O pedetista disse em entrevista que a parlamentar prestou serviços de "harém" ao ministro, rival político dele no Estado. Para Janaína, fala é "lamentável" e Ciro vai "responder por mais esse absurdo

Manutenção de prisão de Brazão enfraquece Lira e afeta disputa por sucessão na Câmara

(FOLHAPRESS) - A decisão do plenário da Câmara de manter a prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) enfraquece Arthur Lira (PP-AL), fortalece o STF (Supremo Tribunal Federal) e embaralha ainda mais a disputa pela sucessão do comando da Casa, marcada para o início de 2025. Alguns dos principais aliados de Lira encabeçaram as articulações

Moraes é aprovado com notas altas em concurso para professor na USP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Alexandre de Moraes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), foi aprovado nesta sexta-feira (12) para o cargo de professor titular da USP em um concurso que só teve uma novidade relevante para ele. Não era a faculdade, que Moraes ainda frequenta semanalmente como professor de direito constitucional. Tampouco a disposição