Vendas de automóveis no Brasil têm alta de 9,2% no ano

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Logo Agência Brasil

As vendas de automóveis registram alta de 9,22% no acumulado de janeiro a agosto em comparação com o mesmo período de 2022. Segundo balanço da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgado nesta segunda-feira (4), em São Paulo, os emplacamentos este ano somam 1,063 milhão de carros, contra 973 mil nos primeiros oito meses do ano passado.ebcebc

Na comparação entre agosto deste ano e agosto de 2022, houve retração de 1,1%, com a venda de 153,4 mil automóveis.

Notícias relacionadas:

  • Fenabrave: vendas de veículos crescem 4,8% em 2022.
  • Venda de veículos acumula alta de 3,3% no ano, aponta Fenabrave.

O presidente da Fenabrave, Andreta Jr, diz que a queda no mês acontece devido ao fim das medidas provisórias que ofereciam descontos na compra de veículos.

“As ações do governo federal permitiram o acesso do consumidor, que havia perdido poder de compra, aos veículos de entrada, o que demonstrou que o fator preço influencia na escala necessária para a recuperação do setor. As medidas provisórias foram muito importantes para aquecer, momentaneamente, o mercado”, analisou o executivo.

Porém, além do fim da vigência das medidas, Andreta disse que há dificuldades na liberação de crédito, o que tem impactado negativamente o setor. “Notamos que, nas últimas semanas, houve uma deterioração acentuada na liberação de crédito, com um aumento de cerca de 20% nas recusas de fichas de financiamento por parte das instituições financeiras. O crédito está restrito e isso afeta muito o mercado”, acrescentou.

Motos

No acumulado de janeiro a agosto, as motocicletas registram alta de 21,17% nas vendas, com o emplacamento de 1,045 milhão de unidades. Em agosto, os veículos de duas rodas tiveram expansão nas vendas de 20,38%, com a comercialização de 142,7 mil motos.

Apesar dos bons números, Andreta explicou que o segmento também enfrenta dificuldades com a liberação de empréstimos. “O consumidor tem buscado alternativas de crédito para a compra de motocicletas, especialmente, as de até 250 cilindradas, e o consórcio surge como opção consolidada. Além disso, notamos uma boa participação nas vendas à vista”, salientou.

Caminhões

O segmento de caminhões tem queda de 16,66% no acumulado dos primeiros oito meses do ano, registrando a venda de 67,4 mil unidades. Em agosto, os emplacamentos de caminhões caíram 27% em relação ao mesmo mês de 2022, com a venda de nove mil unidades.

“O mercado está se ajustando em relação aos valores dos veículos e, em agosto, 77% dos caminhões emplacados foram com a tecnologia Euro 6 [regra que restringe a emissão de poluentes para veículos a diesel]”, comentou o presidente da Fenabrave. Para ele, o setor deverá ser beneficiado pelos programas de financiamento anunciados recentemente pelo governo federal.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Com projeto de Ocenário para Orla, espaço do Circo Picolino pode ser endereço de novo equipamento; saiba mais

O prometido Oceanário de Salvador, aguardado para ser instalado na orla da capital baiana, já tem um lugar em estudo para sua instalação: a área do Circo Picolino. O tradicional espaço na orla de Pituaçu deve ser destinado para a construção do equipamento, após tramitação projeto de desafetação na Câmara de Vereadores de Salvador.   

Codesal realiza simulado de evacuação de área em Cajazeiras no sábado (24)

A Defesa Civil de Salvador (Codesal) realizará mais um simulado de evacuação de 2024 no próximo sábado (24), a partir das 9h. Desta vez, a ação acontece simultaneamente nas comunidades Irmã Dulce, em Cajazeiras VI, e Mangabeira, em Cajazeiras VIII. O objetivo é capacitar os atores envolvidos em um processo de evacuação de áreas de

Mercado eleva projeção do PIB e mantém previsão de déficit primário em 2024

O Banco Central divulgou nesta quinta-feira o Relatório Focus, que traz previsões econômicas atualizadas. Para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2024, a projeção subiu de 1,60% para 1,68%, enquanto a previsão para o final de 2024 aumentou de 1,61% para 1,70%, considerando apenas as respostas dos últimos cinco dias úteis. Em relação