Egito autoriza entrada de ajuda humanitária em Gaza, diz Joe Biden

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos
000 33ym4l3

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta quarta-feira, 18, que o governo egípcio autorizou a entrada de 20 caminhões com ajuda humanitária na Faixa de Gaza através da passagem fronteiriça de Rafah. O Egito “aceitou (…) deixar passar 20 caminhões para começar”, disse Biden após falar por telefone com seu contraparte egípcio, ao concluir uma visita-relâmpago a Israel, onde reafirmou o apoio a seu principal aliado no Oriente Médio, após a ofensiva letal do grupo islamita palestino Hamas contra o território israelense em 7 de outubro. É provável que o carregamento não cruze a fronteira até a sexta-feira, 20, já que a estrada que margeia a passagem humanitária necessita de reparos, detalhou Biden. O presidente americano acrescentou que as Nações Unidas distribuirão a ajuda assim que ela chegar ao empobrecido território de 2,4 milhões de habitantes, bombardeado por Israel em represália ao ataque do Hamas. Mas advertiu que “se o Hamas a confiscar, não vai deixá-la passar (…) Então, terminará”.

Mais cedo no mesmo dia, Israel anunciou que iria autorizar o envio de “comida, água e remédios” do Egito para Faixa de Gaza, que os israelenses bloquearam em resposta ao ataque letal lançado em 7 de outubro a partir do enclave palestino pelo movimento islamita Hamas. “Diante do pedido do presidente [dos EUA, Joe] Biden, Israel não impedirá o envio de ajuda humanitária pelo Egito”, indicou o gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, acrescentando que a autorização valerá “na medida em que o abastecimento não chegue ao Hamas”, que governa Gaza. Em um comunicado, Israel detalhou que não autorizará a entrada de ajuda humanitária até que o enclave palestino liberte os 199 reféns sequestrados em 7 de outubro.

Nesta quarta-feira, Netanyahu se reuniu em Tel Aviv com Biden, que afirmou que a libertação destas pessoas raptadas era a “maior prioridade”. O Hamas afirma que entre “200 e 250” reféns estão detidos na Faixa de Gaza e 22 deles morreram nos bombardeios israelenses contra o enclave. O presidente americano confirmou que Israel autorizou a entrada de ajuda humanitária em Gaza através do Egito “o mais rápido possível” e acrescentou que Washington está trabalhando com seus parceiros para fazer “os caminhões cruzarem a fronteira” de forma rápida. Biden também anunciou que ao longo da semana pedirá uma ajuda “sem precedentes” à Israel no Congresso americano e aconselhou o país a evitar os “erros” cometidos por Washington depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 devido à “raiva”. “Peço-lhes que enquanto sentirem essa raiva, não se deixem consumir por ela. Depois do 11 de setembro, sentimos raiva nos Estados Unidos. E enquanto buscávamos justiça e conseguíssemos justiça, também cometemos erros”, alertou. O presidente dos Estados Unidos afirmou que a guerra atual, desencadeada pelo ataque do Hamas a Israel, reforçou o seu apoio a uma solução de dois Estados, um israelense e outro palestino.

*Com informações da agência AFP

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Putin fez 17 ataques com mísseis e drones por dia na guerra, diz Ucrânia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em quase dois anos de guerra, que serão completados no sábado (24), a Rússia lançou uma média de 17 ataques aéreos com mísseis e drones por dia contra a Ucrânia. A conta foi apresentada nesta quinta (22) pelo porta-voz da Força Aérea de Kiev, Iurii Ihnat. Ele somou 12.630 ataques

Laudo diz que Navalni teve morte natural, dizem aliados

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O certificado de óbito de Alexei Navalni diz que o ativista de oposição a Vladimir Putin morreu de "causas naturais", segundo seus aliados em operação no exterior publicaram nesta quinta (22) no X (ex-Twitter). Também nesta quinta a mãe do ativista, Ludmila, publicou no YouTube que enfim conseguiu ver o

Chefe da diplomacia da UE diz esperar proposta de países árabes para cessar-fogo em Gaza

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borell, afirmou nesta quinta-feira (22) esperar uma proposta de países árabes para um cessar-fogo na guerra Israel-Hamas. Ele afirma que representantes dessas nações estão negociando os termos da proposta de forma antecipada com os Estados Unidos para que não haja um